Web3: O que é? É uma coisa real? Tudo que você precisa saber

Web3 está chegando. você está pronto para isto? Continue lendo para descobrir tudo o que você precisa saber sobre essa tecnologia emergente.

Web3 ou Web3.0 refere-se à terceira iteração da World Wide Web. Ele faz referência aos avanços na tecnologia de computação ao longo dos anos que vão além da Web2.0.

Essa ideia de uma nova Internet também é defendida por muitos que sentem que a Web atual está muito centralizada nas mãos de algumas empresas conhecidas como “Big Tech”. 

Para muitos, a descentralização da web é a solução. Outros conceitos da Web3 incluem a Internet das Coisas, o Metaverso, a inteligência artificial e o Blockchain. Este post analisa como todos eles se encaixam.

Evolução da Web

A web é composta por hardware e software que trabalham juntos para criar a rede internacional de computadores que chamamos de Internet. E como você sabe, a tecnologia está evoluindo rapidamente – algumas, até mesmo exponencialmente.

Assim, quando a ARPANET começou em 1969, a capacidade de memória do Honeywell DDP-516 usado foi um minicomputador de 16 bits com meros 24 KB de memória e CPU de 2 MHz.

À medida que o hardware melhorou ao longo dos anos, o software também melhorou. E hoje, existem CPUs com dezenas de núcleos em velocidades de GHz. Além disso, memória de sistema relativamente ilimitada. Isso não aconteceu da noite para o dia, evoluiu gradualmente, assim como a web.

A Internet de primeira geração ou Web1.0 consistia basicamente em sites estáticos servidos a clientes web, que solicitavam as informações.

A segunda geração da web ou Web2.0 inclui entrada de usuários da web para criar mais dados para servir a outros. Isso deu origem à web social, bem como à web programável de APIs e outros serviços mais complexos.

Uma Internet de terceira geração agora se aproxima, mas seu resultado definitivo dependerá do estado das tecnologias em desenvolvimento atualmente. Porque o hardware de computação ficou tão bom e acessível que um smartphone Samsung Galaxy hoje é muito mais poderoso do que o Cray-1 de 1975, o supercomputador mais rápido do mundo naquela época.

Web3 vs o metaverso

A terceira iteração da web não é o Metaverse. Mas o Metaverso poderia muito provavelmente ser parte integrante dele. O Metaverse se concentra em como os usuários experimentarão a Internet do futuro, como com sistemas de realidade virtual e aumentada.

Como a Internet do futuro funcionará, no entanto, ou as partes que a comporão, é o que a Web3 trata. A aposta mais provável é que a realidade aumentada fundirá Web2.0 com IoT e IA para criar uma experiência excepcional de Web3.0.

Web3 vs IoT

A Internet das Coisas ou IoT também não é Web3, mas pode ser parte integrante dela. A IoT é uma coleção de máquinas ou dispositivos que funcionam de forma independente, mas podem se comunicar entre si por meio de uma rede de rádio.

Os dispositivos IoT conectam sua casa ou espaço de trabalho a redes que ajudam você a viver uma vida melhor ou a trabalhar com mais eficiência. Alguns bons exemplos são o Amazon Echo e o Google Home para residências e fábricas inteligentes para produtividade.

Web3 vs IA

A Inteligência Artificial é outra fronteira da computação que está evoluindo a um ritmo muito rápido. De apenas algumas décadas atrás, quando problemas de hardware limitavam o escopo dos aplicativos de IA, a abundância de memória e tempo de CPU hoje torna até os smartphones capazes de recursos impressionantes de IA.

No entanto, os recursos mais interessantes estão nos sistemas de IA em nuvem que aproveitam o poder da computação em nuvem e as velocidades de banda larga de nível 1 para formar uma nova parte da infraestrutura da Internet. A ciência de dados moderna e a IA vieram para ficar e também são parte integrante da Web3.

Web3 vs Blockchain

O blockchain é a tecnologia de descentralização que torna possíveis redes criptográficas como Bitcoin e Ethereum. Mas enquanto muitos fãs de criptomoedas elogiam a possível parte da tecnologia Blockchain no desenvolvimento da próxima iteração da infraestrutura da web, há alguns pontos a serem observados.

Primeiro, os Blockchains podem consumir muitos recursos. Com as blockchains Ethereum e Bitcoin consumindo mais energia do que muitos países combinados, um único Blockchain para alimentar toda a web atualmente não é viável.

Ainda assim, o Blockchain continua sendo um meio muito confiável de registrar transações entre entidades. Então, se houvesse um Metaverso no qual todas as empresas pudessem construir suas propriedades virtuais, o Blockchain e as criptomoedas poderiam ajudar muito.

O problema com a grande tecnologia

"Minha esposa me perguntou por que eu falava tão baixinho em casa. Eu disse que temia que Mark Zuckerberg estivesse ouvindo! Ela riu. Eu ri. 

Alexa riu. 

Siri riu.”

O problema com a maioria das empresas de tecnologia é o seu narcisismo. Primeiro, eles são doces e atraem você para registrar uma conta ou comprar o que eles estão vendendo. Então, uma vez que eles se tornam gigantes da tecnologia, eles se voltam para ferrar você, seus outros usuários e desenvolvedores de terceiros.

Este é o principal problema com a configuração atual da Web2.0 como está. Big Tech – ou seja, GAMAM ou Google, Amazon, Meta, Apple e Microsoft – podem praticamente fazer o que quiserem.

Eles podem bloquear sua conta ou aplicativo, cancelar seu contrato ou assinatura, vender seus dados ou destruir seus negócios com censores bobos e problemas administrativos. Isso levou muitos desenvolvedores a desconfiar de construir seus negócios em plataformas centralizadas.

Certamente, essas plataformas centralizadas de grandes empresas de tecnologia trazem muitos benefícios. Mas como as plataformas pertencem a corporações individuais, o destino de uma comunidade ou empresa depende de alguns indivíduos.

Uma solução para a tirania da Big Tech, então, é uma arquitetura descentralizada que serve como base para uma nova iteração da Internet. Um em que os criadores de todo o conteúdo online são donos de seu trabalho e têm o direito de escolher o que fazer com ele.

Para esse fim, muitos estão propondo uma nova infraestrutura centrada em Blockchain para a Internet. Poderia ser modelado a partir de redes criptográficas, com descentralização, código aberto e liberdade sendo os principais recursos.

Tokenomics e descentralização

A centralização de dados é o problema atual da tecnologia Web 2.0, pois muitos desenvolvedores se sentem excluídos pelos proprietários da plataforma.

A descentralização oferece uma solução para esse problema, com tokens criptográficos garantindo que todos os contribuidores de um projeto recebam sua parte justa do valor criado.

No entanto, mudar a maneira atual de fazer as coisas para esse novo sistema descentralizado não será fácil. Primeiro, há o grupo Big Tech, que controla exércitos de desenvolvedores que são tão inteligentes quanto qualquer hacker FOSS.

Em segundo lugar, há políticos e governos, que provaram repetidas vezes que não estão tão interessados ​​no bem-estar das pessoas quanto em encher seus bolsos. Além disso, o crescente regulamentação de redes de criptografia em todo o mundo mostra o quão determinados são os antigos poderes em manter o status quo.

O resultado possível, então, é que, embora a estrutura de propriedade da próxima geração de reviravoltas na Internet possa ser diferente da que temos hoje, algumas estruturas fundamentais, como o agrupamento de poder e riqueza, permanecerão.

A empresa tokenizada

Imagine por um breve momento que o Google abre o código de seu algoritmo de busca. Além disso, você paga um token G cada vez que você visualiza ou interage com um anúncio.

Agora, imagine o Facebook também pagando a você uma parte de sua receita de anúncios em tokens de rosto, simplesmente por navegar no site e postar ótimas fotos.

Embora esses cenários pareçam improváveis, dadas as naturezas corporativas desses gigantes da web, eles não são impossíveis. Uma empresa tokenizada não é uma ideia absurda. É mais como uma sociedade cooperativa cibernética apoiada pela tecnologia Blockchain.

Cooperativas de crédito e seguradoras podem vir à mente ao ouvir a palavra “cooperativa”, mas há muito mais nesse modelo de empresa. o duas maiores redes de varejo na Suíça, por exemplo, também são sociedades cooperativas e são extremamente bem-sucedidas.

Isso ajuda bastante a mostrar o potencial das empresas Web3.0 descentralizadas.

Os recursos da Web3

Aqui está uma olhada nos recursos mais promissores de um ambiente Web3.0. Eles não estão em ordem específica e são meramente especulativos.

  • Descentralização – Não há controle centralizado e isso dá mais liberdade aos usuários. DApps (aplicativos descentralizados) e DeFi (finanças descentralizadas) evoluem a partir disso.
  • Sem permissão para usar – Uma web totalmente descentralizada não requer gatekeepers centrais.
  • Código aberto – O que provou produzir sistemas melhores e mais seguros.
  • Incentivo ao desenvolvedor – Os tokens podem atrair mais desenvolvedores para se envolverem no projeto. Isso significa mais mãos no convés, melhores recursos e qualidade.
  • Incentivo do usuário – Para criar conteúdo de maior qualidade para melhores ganhos de token.
  • Sem censura – Não há ditadores para impor suas vontades aos outros. Todo mundo trabalha em protocolos públicos.
  • Mais controle da comunidade – Aqueles com a visão de moldar o futuro podem fazer suas vozes serem ouvidas. A votação do detentor do token também é uma coisa.
  • Realidade aumentada – O Metaverse fundirá a realidade virtual e física.
  • Bots melhores – As melhorias na IA continuam a produzir bots melhores.

Os desafios técnicos

Todas as diferentes tecnologias que compõem a Web3, compreensivelmente, ainda estão evoluindo, e isso significa que há problemas e obstáculos a serem superados. Aqui estão alguns desses grandes desafios que eles enfrentam.

  • Escala – Dimensionar um dApp ou aplicativo descentralizado é mais fácil falar do que fazer. Mas deve melhorar com a queda dos custos de computação.
  • Velocidade – Blockchains ainda têm problemas de velocidade quando comparados a tecnologias concorrentes.
  • Centralização – Mesmo uma rede descentralizada contará com trocas de criptomoedas centralizadas.
  • Dados privados – O que fazer com os dados do Blockchain.
  • Roubo - Roubos de ativos criptográficos estão em ascensão.
  • Energia – A mineração de criptografia atual é altamente ineficiente em termos de energia.

Potenciais Perigos Sociais da Web3

Há também potenciais perigos sociais em um cenário web3 extremamente descentralizado. Esses perigos virão principalmente da dificuldade em regular tal sistema. Eles incluem:

  • Crime cibernético
  • Abuso infantil
  • Incitação ao ódio
  • Governos
  • Novas variantes

Aplicativos Web3 notáveis

Conclusão

Com os preços de largura de banda, armazenamento e computação caindo para quase US$ 0, é apenas uma questão de tempo até que a próxima iteração da World Wide Web chegue. Como isso acontece, porém, é uma questão completamente diferente. Mas blockchains, IoTs e IA provavelmente farão parte disso.

Certamente, a Internet pode se tornar mais voltada para a comunidade, com empresas tokenizadas permitindo que desenvolvedores e criadores de conteúdo ganhem mais com seu trabalho. No entanto, não devemos esquecer as lições da história sobre ganância humana e capitalismo. Sempre haverá uma ou algumas pessoas, que tentarão pegar o máximo que puderem para si mesmas.

Nnamdi Okeke

Nnamdi Okeke

Nnamdi Okeke é um entusiasta de computadores que adora ler uma grande variedade de livros. Ele tem preferência por Linux sobre Windows/Mac e tem usado
Ubuntu desde seus primeiros dias. Você pode pegá-lo no twitter via bongotrax

Artigos: 278

Receba materiais tecnológicos

Tendências de tecnologia, tendências de inicialização, análises, renda online, ferramentas da web e marketing uma ou duas vezes por mês

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *