Deepfakes: como funciona, aplicativos e alguns exemplos

Precisa saber tudo sobre Deepfakes? Continue lendo enquanto exploramos como a inteligência artificial facilitou a manipulação de dados e criou uma nova tendência na Internet.

Fotos e vídeos deepfake estão chamando a atenção de muitos ao redor do mundo e fazendo com que pesquisadores e legisladores se perguntem: o que vem a seguir?

O termo deepfake significa “aprendizado profundo” e falso, referindo-se ao uso de métodos de aprendizado profundo da inteligência artificial para criar uma cópia falsa de qualquer mídia.

Muitos estão alarmados com a facilidade de falsificar fotos e vídeos usando aplicativos deepfake, enquanto outros acham muito divertido. No entanto, os deepfakes se tornaram uma coisa.

Então, estamos analisando mais de perto essa tecnologia para descobrir como ela funciona e o que isso significa para o mundo.

Deepfakes x Inteligência Artificial

Em primeiro lugar, é importante observar a diferença entre a saída padrão gerada por IA e os deepfakes. Os algoritmos de IA produziram diferentes tipos de saídas de mídia por muito tempo, mas dificilmente você pode chamá-los de deepfakes.

O termo deepfake refere-se a uma mídia falsificada, como vídeos, fotos ou qualquer outra coisa, que é uma versão editada por IA de uma cópia pré-existente.

A inteligência artificial desenvolveu-se imensamente na última década, graças a computadores mais baratos e poderosos, bem como a novos desenvolvimentos no campo.

Onde as imagens geradas por IA eram facilmente reconhecíveis há uma década, os algoritmos melhoraram nos últimos anos, facilitando a produção de resultados altamente realistas. É esse alto nível de autenticidade que torna as imagens geradas por IA em geral, e as deepfakes especificamente, muito impressionantes.

IA e aprendizagem profunda

Para entender como os algoritmos de computador evoluíram para criar os rostos humanos altamente realistas que você pode encontrar em generator.photos e essa pessoa não existe. com, você precisará de uma cartilha em inteligência artificial.

Existem diferentes áreas na IA, dependendo do método que você está usando e do que planeja alcançar. Você encontrará de tudo, desde métodos de probabilidade como o filtro Bayesiano usado para detecção de spam até lógica difusa, algoritmos evolutivos que se desenvolvem por conta própria e redes neurais artificiais, que visam simular o cérebro humano.

Redes neurais

Assim como existem neurônios reais no cérebro humano, com seus dendritos e axônios se conectando em redes altamente complexas que abrangem milhões a bilhões de neurônios, os neurônios artificiais também se conectam. Mas seus números são limitados pelo poder de computação.

O objetivo de uma rede neural é fornecer uma saída ou resposta para cada entrada. Isso é alcançado ensinando primeiro a rede como você ensinaria a uma criança. Depois disso, agora ele pode fazer previsões com base em seus ensinamentos.

Você também deve observar que mais neurônios em uma rede geralmente significam melhores resultados e mais dados de treinamento também melhoram os resultados. É exatamente assim que o cérebro humano funciona, pelo menos teoricamente.

Como funciona o deepfaking

Há muitas coisas e áreas onde você pode aplicar a inteligência artificial. Deepfaking é apenas um deles, que evoluiu do uso de redes neurais para editar imagens. Os resultados anteriores eram promissores, mas eram muito básicos até que Ian Goodfellow e seus amigos criaram o GAN em 2014.

GAN ou Generative Adversarial Network é um framework para o ensino de redes neurais. Então, em vez de você ter que preparar e ensinar a rede por conta própria, você deixa outra rede competir com a primeira, criticando seus resultados. Isso leva à geração de ótimos resultados com base em qualquer conjunto de treinamento.

Os resultados da abordagem GAN foram tão fenomenais na época quanto são hoje. Também se tornou a base de muitas soluções e aplicativos de IA, incluindo deepfakes. Além disso, as melhorias no poder de computação tornaram mais fácil fazer coisas incríveis até mesmo em smartphones.

Possíveis aplicações de deepfake

Além das imagens e vídeos altamente populares que circulam na rede, existem amplas aplicações para usar a tecnologia deepfake para outros fins mais úteis.

Deepfakes pode ajudar pacientes com deficiência de fala a encontrar uma voz, usando síntese de áudio. Ele pode encontrar usos na sala de aula, onde figuras históricas são trazidas de volta à vida, como aconteceu no Museu Dalí em São Petersburgo, Flórida.

A indústria cinematográfica também pode encontrar usos para deepfakes, pois pode reduzir significativamente o custo de CGI (Imagens geradas por computador) em filmes. Artistas e atores mortos podem ser ressuscitados e apresentados em novos filmes.

Os deepfakes podem permitir que qualquer pessoa produza vídeos especializados em vários idiomas, como aconteceu com a campanha de David Beckham para “acabar com a malária” e com a campanha política de Manoj Tiwari na Índia, onde ele falava fluentemente em vários idiomas.

Os jogos também podem encontrar bons usos para deepfakes, pois os jogadores podem mergulhar no jogo para uma experiência de realidade virtual mais profunda.

Até mesmo os profissionais de marketing de mídia social estão encontrando usos para personalidades de mídia social geradas por computador criadas e gerenciadas inteiramente no computador. Embora não seja um deepfake real, Calvin Klein Lil Miquela e seus 3 milhões de seguidores no Instagram mostram o que é possível.

Alguns exemplos de deepfake

Para entender melhor essa tecnologia e as promessas que ela contém, aqui estão alguns dos deepfakes mais impressionantes que existem.

  • anúncio de Obama – Este é um dos deepfakes mais conhecidos, mais antigos e mais chocantes. Lançado em 2018, este vídeo foi criado como um alerta para esclarecer as pessoas sobre as possibilidades da tecnologia.

    Ele apresentava Obama fazendo um anúncio de serviço público e inclui ele chamando Trump de “merda”. O criador é Jordan Peele e as ferramentas que ele usou incluem Adobe After Effects e FaceApp.

  • Mona Lisa – A maioria das pessoas conhece a obra-prima de Leonardo da Vinci, a Mona Lisa. Mas em 2019, as pessoas ficaram maravilhadas em todo o mundo, ao vê-la sorrir e se mexer pela primeira vez, graças aos laboratórios russos de pesquisa de IA da Samsung.

    Rotulados como “cabeças falantes neurais realistas”, os pesquisadores usaram 7,000 imagens coletadas do YouTube para treinar essa rede neural. Então tudo que você precisa é de uma única foto para combinar com as características faciais e animar o rosto. Eles também fizeram isso com Albert Einstein, Marilyn Monroe, Salvador Dalí e outros.

  • Chamadas de zoom – Em 2020, dois pesquisadores russos demonstraram como você poderia usar o recurso de fundo personalizável das videochamadas Zoom para criar deepfakes animados em tempo real de quem você quisesse. Eles podem aparecer como Albert Einstein ao vivo e falante, a Mona Lisa, Donald Trump ou Boris Johnson nas chamadas da web.

  • Salvador Dalí – Em 2019, o Museu Dalí em São Petersburgo, Flórida, sediou a exposição “Dalí Lives”. Ele apresentava uma versão deepfake do artista morto e eles precisavam de mais de 1,000 horas de aprendizado de máquina e 6,000 quadros para realizá-lo.

  • DeepNude – Também em 2019, uma equipe de desenvolvedores lançou um aplicativo impressionante chamado DeepNude. Tudo o que precisava era uma foto de uma mulher de biquíni e isso a deixaria completamente nua. Em seguida, adicionou uma marca d'água “FAKE” na imagem, que você pode remover por US $ 50.

    O aplicativo surpreendeu e indignou tantas pessoas. E a pressão era tanta que os desenvolvedores tiveram que retirá-lo da web. Seu código de código aberto no GitHub também foi removido, mas sites como http://deepnude.to e um bot de telegrama mostra que DeepNude continua vivo.

Aplicativos deepfake notáveis

Existem também muitos aplicativos geradores de deepfake por aí, sendo alguns mais impressionantes do que outros. Eles são principalmente para o smartphone e facilitam a manipulação rápida de fotos e vídeos.

Esses aplicativos incluem:

  • DeepFaceLab – Disponível em GitHub, o DeepFaceLab é uma solução de software líder para a criação de deepfakes. Ele permite que você troque e rejuvenesça rostos, substitua a cabeça e manipule os lábios de políticos e outras pessoas de interesse. Muitos canais do YouTube também o utilizam.

  • MyHeritage – A oferta Deep Nostalgia da MyHeritage. com torna mais fácil dar vida a fotos de família antigas. MyHeritage é uma plataforma para descobrir sua árvore genealógica. Então, trazer seus ancestrais de volta à vida pode ser uma experiência assustadora, mas impressionante.

  • FakeApp – Desenvolvido e lançado por um usuário do Reddit, o FakeApp facilita a troca ou reprodução de rostos em um vídeo gratuitamente. Foi usado na criação da famosa remasterização da jovem Princesa Leia na prequela de Star Wars: Rogue One. Demorou apenas alguns minutos para ser feito, aparentemente, mas ficou melhor do que o filme original, que levou semanas e custou muito mais.

  • Reface – Outro aplicativo impressionante e divertido de usar disponível para Android e iOS. No entanto, ele vem com anúncios, que você pode remover com uma assinatura mensal.

  • Zao – app chinês de deepfake que permite criar novos vídeos em apenas alguns segundos, mas com resultados impressionantes. Está disponível apenas na China.

  • Deepfakes Web – Um aplicativo deepfake baseado em nuvem que funciona na web. Basta acessar o site, fazer upload de um vídeo e clicar em um botão. Em seguida, o sistema aprenderá o vídeo e criará um novo para você. Você também pode treiná-lo para obter melhores resultados.

Conclusão

Chegando ao final deste post deepfake, deve ser óbvio o quão longe essa tecnologia chegou até agora. E isso inclui tanto as abordagens morais quanto as imorais, pois a indústria pornográfica sempre foi uma fonte de inovação na internet.

Também dado o custo relativamente mais barato dos deepfakes de IA em relação aos CGIs tradicionais, o futuro certamente é brilhante para o uso de deepfake na indústria cinematográfica, bem como em outras aplicações além do entretenimento.

Nnamdi Okeke

Nnamdi Okeke

Nnamdi Okeke é um entusiasta de computadores que adora ler uma grande variedade de livros. Ele tem preferência por Linux sobre Windows/Mac e tem usado
Ubuntu desde seus primeiros dias. Você pode pegá-lo no twitter via bongotrax

Artigos: 278

Receba materiais tecnológicos

Tendências de tecnologia, tendências de inicialização, análises, renda online, ferramentas da web e marketing uma ou duas vezes por mês

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *